UM HOMEM CHAMADO CAVALO-FILME WESTERN



 

Um Homem Chamado Cavalo - Filme - Western

Um Homem Chamado Cavalo foi um famoso espetáculo cinematográfico, um western americano, e apesar de um nome muito estranho, foi baseado no conto "A Man Called Horse" da escritora americana Dorothy M. Johnson e apareceu pela primeira vez na revista Coller em 7 de janeiro de 1950, depois foi reeditado em 1968, com uma pequena história dentro do livro "Indian Country". Por volta de 1958, essa história também foi incluída na série de televisão "Wagon Train", conhecida no Brasil por "Caravana" e nos anos 70 chegou ao cinema com grande sucesso.


O filme conta a história de um aristocrata inglês chamado John Morgan que é capturado por tribo nativo americano, singelamente mencionado como sendo a tribo Sioux, que se expandia desde os Estados Unidos até o Canadá, e considerada como a quinta língua tribal mais conhecida desses dois países, ficando atrás somente dos Navajos, Cree, Inuit e Ojibwe. Depois de capturado, Morgan passa a ser tratado como um animal, entretanto, ele ao contrário dos outros homens brancos, passa a respeitar a cultura dos seus captores, assim como inicia um aprendizado sobre os seus costumes e assim aos poucos vai ganhando respeito.


Ele faz amizade com Batise, o bobo da tribo, que passa a auxiliá-lo a compreender a língua dos índios e numa ocasião em que tem a oportunidade de fugir da tribo, ao contrário ele se ajoelha e fica paralisado mostrando aos índios que ele não pretende fugir. Determinado que sua única chance de escapar com vida e assim alcançar sua liberdade, Morgan começa a fazer de tudo pra conseguir o respeito dos nativos, chegando inclusive a matar dois guerreiros da tribo rival, o que lhe vale a condição de reivindicar a posição de guerreiro, segundo as tradições da tribo.


Morgan passa por diversos testes até conseguir a vitória, e como prêmio propõe casamento a uma das mulheres que foram tomadas no campo de batalha como dote. Depois ainda tem que passar por um doloroso ritual de iniciação, que compreende em ficar pendurado através de cordas que se prendem ao seu peito, causando dores insuportáveis, mas capaz e assim tornar um guerreiro de verdade. Depois de aprovado neste rito ele recebe o nome de Cavalo e se torna um membro respeitado por toda a tribo até finalmente tornar-se o seu líder.


O filme teve a direção de Elliot Silverstein, produzido por Frank Brill e Sandy Howard e os roteiros ficaram a cargo de Jack DeWitt, baseada na obra de Dorothy M. Johnson. O espetáculo contou a interpretação de Richard Harris como John Morgan, Judith Anderson como Buffalo Cow Head, de Jean Gascon como Batise, de Manu Tupou como Yellow Hand e Corinna Tsopei como Runing Deer, entre outros.


A trilha sonora ficou a cargo de Leonard Rosenman e Lloyd One Star, e chegou aos cinemas dos Estados Unidos em 28 de abril de 1970, com duração de 114 minutos. O espetáculo tenta mostrar neutralidade tanto no ponto de vista do homem branco e também do lado do índio americano, assim como tenta abranger as duas culturas e também as práticas tribais e rituais, que foram baseadas em registros históricos, entretanto, o filme também recebeu críticas por parte de alguns ativistas índios dizendo que mesmo mostrando a cultura, as praticas tribais e seus rituais, ainda assim continuava a ser um filme de branco falando sobre os índios.


Seja qual a opinião de alguns, contra ou favor, o filme conseguiu de modo geral boa repercussão de crítica e sucesso de bilheteria e gerou ainda duas continuações, com Richard Harris reprisando o seu papel. A primeira continuidade foi "A Vingança de um Homem Chamado Cavalo" ou "The Return of a Man Called Horse", que chegou aos cinemas dos Estados Unidos em 28 de junho de 1976, agora sob a direção de Irvin Kershner, produzido por Terry Morse Jr, mas mantendo o roteirista Jack DeWitt. A música desta vez ficou a cargo de Laurence Rosenthal, distribuído pela United Artists com duração de 129 minutos.


O principal papel continuou ainda sendo protagonizado por Richard Harris como John Morgan e contou desta vez com Gale Sondergaad como Elk Woman, Geoffrey Lewis como Zenas, William Lucking como Tom Gryce, Jorge Luke como Running Bull e Jorge Russek como Blacksmith, entre outros, e as filmagens ocorreram em Dakota do Sul, nos Estados Unidos, e também cenas no Reino Unido e no México.


Neste filme, o aristocrata inglês John Morgan, após passar cerca de três anos convivendo com os índios por volta de 1840, resolve deixar a tribo e voltar ao seu país no Reino Unido, mas a sua ausência faz com a tribo passe a ser massacrada e os poucos sobreviventes expulsos de suas terras ou obrigado a atacar tribos inimigas a mando dos caçadores brancos.


Pouco tempo depois, Morgan resolve voltar para a América para rever seus amigos índios e ao chegar vê toda a situação dramática dos índios e isso leva Morgan a contra-atacar, mas os índios estão abalados e não confiam mais nele e então Morgan resolve novamente se submeter ao ritual de purificação e assim ganhar novamente o respeito dos nativos.


O espetáculo recebeu críticas mistas e muitos não gostaram da repetição do ritual de purificação, por ser um momento muito cruel para os expectadores terem de ficar assistindo tudo novamente. Ao final do filme, segundo os letreiros, Morgan permaneceu com a tribo das Mãos Amarelas até a sua morte que ocorreu em 1854, dando a impressão que assim terminava a saga de Morgan com os índios.


Mas, como cinema é cinema, em 1983, John Morgan e Richard Harris retornam em "The Trimphs of a Man Called Horse" ou "O Triunfo do Homem Chamado Cavalo", sob a direção de John Hough e roteiro novamente de Jack DeWitt. O espetáculo é uma co-produção entre a Espanha, Estados Unidos e o Canadá, produzida pela Hesperia Films SA, Redwing Production SA e Transpacific Media Productions, com locações no México e estrelado, além de Richard Harris, por Michael Beck como Koda, Ana de Sade como Redwing, Vaughn Armstrong como Captain Cummings e Anne Seymour como Elk Woman, entre outros.


Nesta terceira sequência, o inglês Morgan é o chefe dos Sioux e também passa a ser um homem odiado pelos brancos, e muitos atribuem morte de muitos brancos a Morgan por ter ensinado aos índios vários truques, entretanto como uma forma de conseguir a paz na região, o governo chama Morgan para negociar a paz, mas instantes após a reunião ele acaba sendo assassinado por tiro de um rifle.


 Morgan tem um filho chamado Koda, que fora criado pelos Sioux, mas foi depois foi enviado para estudar direito no Oriente e ao saber da notícia da morte do pai, ele retorna para lidar tanto com os colonos brancos que avançam sobre as terras dos índios Sioux, como passa a liderar os povos nativos que querem a guerra.



Ele conhece uma atraente jovem chamada Redwing, e também descobre que seu pai foi assassinado por um falso pregador que queria iniciar uma guerra para assim tirar as terras dos Sioux, assim Koda e Redwing partem num confronto com o falso pregador e seus chefes e ao fim restauram a paz entre os nativos Sioux. Este filme não foi bem aceito e terminando a saga de “Um Homem Chamado Cavalo” ou pelo menos assim se imagina.

Vídeo
Principais Fontes Bibliográficas

http://www.tcm.com/this-month/article199521|0/A-Man-Called-Horse.html


Fonte:http://www.tvsinopse.kinghost.net/art/u/um-homem-chamado-cavalo.htm

Postagens mais visitadas deste blog

ALÉM DE MATRIX : 10 FILMES QUE VÃO FAZER VOCÊ QUESTIONAR A REALIDADE

FILME DOUTOR ESTRANHO,É COMO SE FOSSE UMA VIAGEM PSICODÉLICA

CENAS DE SEXO NO CINEMA AINDA SÃO TABU ?